sexta-feira, 26 de julho de 2013

Resenha - O prisioneiro do céu




Livro: O Prisioneiro do Céu
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Editora: Suma de Letras



Sinopse da Livraria: Barcelona, 1957. Daniel Sempere e seu amigo Fermín, os heróis de A Sombra do Vento, estão de volta à aventura para enfrentar o maior desafio de suas vidas. Já se passa um ano do casamento de Daniel e Bea. Eles agora têm um filho, Julián, e vivem com o pai de Daniel em um apartamento em cima da livraria Sempere e Filhos. Fermín ainda trabalha com eles e está ocupado com os preparativos para o seu casamento com Bernarda no ano-novo. No entanto, algo parece incomodá-lo profundamente.
Quando tudo começava a dar certo para eles, um personagem inquietante visita a livraria de Sempere em uma manhã em que Daniel está sozinho. (...) Esta visita é apenas o ponto de partida de uma história de aprisionamento, traição e do retorno de um adversário mortal. Daniel e Fermín terão que compreender o que ocorre diante da ameaça da revelação de um terrível segredo que permanece enterrado há duas décadas no fundo da memória da cidade.
Ao descobrir a verdade, Daniel compreenderá que o destino o arrasta na direção de um confronto inevitável com a maior das sombras: aquelas que crescem dentro dele.


Carlos Ruiz Zafón. Não é apenas um dos meus autores preferidos. Ele simplesmente me encanta. Sua escrita é enebriante, seus personagens, apaixonantes. Como não se apaixonar pela família Sempere, por Fermín, por Marina ou por Óscar Drai? Quem não pensou em andar pelas ruas de Barcelona depois de ler um de seus livros?
O suspense de suas histórias nos leva até a última página, e sempre, quando terminamos de ler, nos pegamos surpreendidos.
Segundo algumas publicações O Prisioneiro do Céu seria o último livro da chamada trilogia Cemitério dos Livros Esquecidos. Digo "da chamada trilogia" porque terminando o livro temos a sensação que essa história não acaba aqui. Desdobramentos hão de vir, pelo menos é  o que espero. E o próprio Zafón em nota no início deste livro cita: "Este livro faz parte de um ciclo de romances que se entrecruzam no universo literário do Cemitério dos Livros Esquecidos". Bem, ciclo, é bem diferente de trilogia.
Como o diretor diz acima, os romances deste ciclo se entrecruzam, e é exatamente isso. Precisamente os dois livros anteriores A Sombra do Vento e O Jogo do Anjo se convergem em O Prisioneiro do Céu.
Apesar do autor afirmar que os livros podem ser lidos em qualquer ordem, eu aconselho a que sejam lidos na ordem: A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo e O Prisioneiro do Céu.

Bem, nos dediquemos agora a história de O Prisioneiro do Céu. O personagem principal desse livro é o impagável Fermín Romero de Torres.  Acontecimentos ocorridos no ano em que transcorre a história, 1957, levam Fermín a revisitar seu passado de prisioneiro do regime franquista, entre 1939 e 1941.
A narrativa é dividida em duas partes que acontecem paralelamente - 1957 e 1939.
Natal de 1957. Daniel está sozinho na livraria quando um estranho, com roupas velhas e mancando entra. Depois de perguntar por Fermín e olhar os livros sem interesse, ele escolhe a obra mais valiosa, não ao acaso, O Conde de Monte Cristo. Paga, além do valor e pede para que o livro seja entregue. Faz uma dedicatória e sai da livraria. Para surpresa de Daniel a dedicatória é para seu amigo Fermín.

"Para Fermín Romero Torres, que retornou dos mortos e tem a chave do futuro. 13"

Não contendo a curiosidade Daniel fecha a livraria e segue o estranho visitante, descobre que ele está hospedado em uma 'espelunca' usando o nome de Fermín.
Quando Daniel, depois de voltar para a livraria, conta tudo para Fermín e lhe mostra o livro com a dedicatória, Fermín entra em desespero e pede à Daniel que não volte a seguir o estranho, pois este é muito perigoso. Sem contar mais nada, deixa a livraria.
Em meio a esse mistério, nos vemos em meio aos preparativos para o casamento de Fermín, que logicamente não poderia ser uma coisa simples.
Mais tarde, Fermín acaba confessando que só contou uma pequena parte de sua história para Daniel, que pergunta se o amigo não confiava nele. Fermín disse que confiava, mas que fez aquilo apenas para proteger Daniel.

"- Proteger? A mim? Proteger de quê?
Fermín baixou os olhos, arrasado.
- Da verdade, Daniel... Da verdade." 

A partir daí o livro volta pra o ano de 1939, onde além de nos depararmos com os sofrimentos dos prisioneiros da ditadura franquista, acompanhamos o período em que Fermín ficou preso e descobrimos que ainda ali, ainda em 1939, as vidas de Fermín e da família Sempere se cruzaram pela primeira vez e Daniel descobre uma terrível verdade.
É neste momento que as histórias de A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo e O Prisioneiro do Céu se entrecruzam brilhantemente.
A narrativa flui, o suspense se entremeando com outros acontecimentos do dia a dia de Daniel e Fermín, torna a história envolvente nos deixando incapaz de largar o livro.

"Louco é quem se acha sensato e pensa que não tem nada a ver com a categoria dos tolos."



Sobre o autor:


Carlos Ruiz Zafón, nasceu em Barcelona, em 25/09/1964. Desde 1993 tem vivido principalmente em Los Angeles. Seu primeiro romance, O Príncipe da Névoa, vendeu mais de 150 mil exemplares na Espanha.  Nos últimos anos transformou-se numa das maiores revelações literárias com A Sombra do Vento. Os trabalhos de Zafón foram publicados em 45 países e foram traduzidos em mais de 30 idiomas.

Livros publicados no Brasil:

  • O Príncipe da Névoa
  • O Palácio da Meia-Noite
  • Marina
  • A Sombra do Vento
  • O Jogo do Anjo
  • O Prisioneiro do Céu


Por Aline Parreira

6 comentários:

  1. Eu acho que esse cara escreve MUITO bem, pena que conheci seu trabalho tão tarde... acho que perdi muito tempo!!! Essa característica de narrativa q se desenvolve com facilidade é o que eu mais prezo em um bom livro. Adorei a resenha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ivi, que bom que tenha gostado da resenha. Vindo de você que escreve muito bem, me deixou bem feliz!!! Bom, eu sou completamente suspeita para falar do Zafón. Desde o primeiro livro que li dele, Marina, fui completamente conquistada. Depois de ler os livros do ciclo Cemitério dos Livros Esquecidos então...simplesmente me perdi em suas palavras, no jeito dele contar uma história; como consegue fazer com que uma mesma história seja um suspense, um drama e tenha uma pitada de humor. Ele é extremamente habilidoso!! Obrigada por acompanhar nosso blog!!!!

      Excluir
    2. Que vergonha...eu ainda não li nenhum livro do Zafón :(

      Excluir
  2. Então leia Bel Sanz. Você não sabe o que está perdendo. O primeiro livro do ciclo Cemitério dos Livros Esquecidos está aí na minha estante que fica na sua casa!!!!

    ResponderExcluir
  3. Eu adoro o Zafón mas dos livros que eu li dele só tenho O Jogo do Anjo, como são meu caros vou ter que esperar por uma promoção para poder compra-los :/

    beijinhos
    http://viciosdeumabaiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Carolina!! Seja bem vinda ao nosso blog!! Eu sou suspeita de falar do Zafón porque ele me conquistou totalmente. Espero que você consiga todos os livros dele, porque vale muito à pena!!!! bjos!

    ResponderExcluir