segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Resenha - Johnny Depp

Livro: Johnny Depp
Autor: Danny White
Editora: Best Seller


Carismático, talentoso, reservado.
Louco? Rebelde? Cheio de manias.
Quem alguma vez na vida não teve vontade de gritar:
"PARA O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!!!"?
Johnny Depp não tem vontades, ele faz, ele grita e pense o que quiserem.

"Por que não posso ser humano? Tenho muito amor dentro de mim, e muita raiva também. Se amo alguém, então amarei esse alguém. Se estou com raiva e preciso descontar ou bater em alguém, vou fazer isso, e não estou nem ai para as repercussões." (Johnny Depp)

Acompanho a carreira de Johnny desde Anjos da Lei, sua primeira série televisiva e o que o alçou ao sucesso em Hollywood. Acompanhei todo o seu desenvolvimento como galã de Hollywood, título que ele não gosta, até se tornar o grande ator que é hoje.
Excêntrico?
Pode ser pra quem gosta de rotular as coisas e/ou pessoas, mas Johnny não se rotula, ele é quem é, nada mais que isso.

Engraçado, sensível e solidário.
Intenso em seu trabalho e em sua vida.
Um ator que passa a mensagem só com sua expressão, seu olhar.
Assim seus amigos e colegas o definem.

Devido a minha admiração pela carreira de Johhny Depp quando eu vi essa biografia a venda não pensei duas vezes em comprá-la e logo que chegou quis começar a ler. Acompanho a carreira e sei muito pouco de sua vida pessoal. Quem namorou, com quem casou, que teve dois filhos e depois de anos se separou da mãe de seus filhos. Essas são coisas que a mídia adora e publica.

Mas quem é Johnny Depp hoje?
Quem foi Johnny Depp antes da fama?
Como foi sua infância?
Como ele lidou e lida com sua carreira?

São questões pouco faladas na imprensa. E esse livro, essa biografia, tenta nos mostrar um pouco mais do lado humano de Johnny. Vale dizer que a biografia não é autorizada, lembrem-se, Johhny é reservado. Tímido, não sabe como lidar com os fãs que o param nas ruas e nem com jornalistas, principalmente paparazzis. A pouco tempo vi uma entrevista de divulgação de seu novo filme "O Cavaleiro Solitário" e a repórter comenta que por duas vezes ele foi eleito pela revista People como o homem mais sexy do mundo, a primeira coisa que ele disse foi "Não...de manhã ao acordar não me sinto nada sexy", e sorriu baixando os olhos.

Estou aqui desfiando minha admiração por Johnny Depp mas o que interessa nessa resenha é o livro.

O autor é um jornalista que certamente teve acesso a inúmeras reportagens e artigos de revistas e jornais sobre o ator para criar um acervo bem extenso de tudo que foi publicado na mídia em todos esses anos de carreira de Johnny. Sua narrativa é baseada nesses artigos e em depoimentos de amigos e colegas de profissão de Johnny. Ele faz um paralelo de seu avanço na carreira de ator e sua vida pessoal. Ligando os fatos que apareciam na mídia e assim procurando chegar a uma interpretação do que estava acontecendo com ele pessoal e profissionalmente em determinado período.

Achei a pesquisa do autor rica e objetiva com paralelos bem delineados nos fazendo até acreditar que os sentimentos de Johnny em alguns momentos foram os que realmente o autor descreveu. Mas claro, fica sempre a dúvida se tudo para o ator foi dessa maneira, se as coisas que ele sentia e passava eram de fato da forma declarada pelo autor, já que a biografia não foi acompanhada por Johhny Depp. Mas em nenhum momento o autor coloca os dados pessoais como um fato, deixando bem claro que são depoimentos de amigos e colegas, e também do que foi divulgado na mídia mostrando em que programa ou revista Johnny fez determinada declaração e fazendo uma interpretação pessoal.

Não achei uma leitura massante, muito pelo contrário, achei uma leitura muito agradável. Já li outras biografias que achei cansativa, falando muito dos trabalhos do artista, ficando uma coisa meio didática. A escrita desse autor não me deu essa impressão, na verdade me senti conversando com ele sobre Johnny Depp. Infelizmente o próprio Johnny não estava conosco na prosa.

Achei uma leitura válida e indico não só para quem é fã do ator ou para quem apenas curte seu trabalho, como para quem quer saber um pouco mais como é cruel a indústria de cinema em Hollywood.

É um livro que eu vou reler, com certeza.



Quotes:

"E por algum motivo", relembra Depp, "comecei a gritar 'Vai se foder!' para ele. Não sei por quê, pois eu o idolatrava." Iggy Pop se aproximou de Depp, que achou que seu ídolo iria lhe acertar a cara. Mas, em vez disso, a lenda do rock se contentou em meramente chamar Depp de "merdinha" e se afastar. Dizem que nunca se deve conhecer seus heróis, pois eles apenas nos desapontarão". (Pag. 30)

"Depp enfatiza com veemência que não era um 'bad boy, um delinquente ou um rebelde'. Prefere considerar seu comportamento adolescente como o de alguém cheio de curiosidade: "Eu não era um cara maldoso que tinha vontade de chutar uma velhinha na canela e sair correndo, sabe? Eu só queria descobrir o que existia por aí.'" (Pag 31)

"Na parede de sua casa havia insetos mortos em molduras. 'Os insetos', afirmou Depp, 'são muito misteriosos. Não sabemos como ou o que eles são. Eles simplesmente são'. Também comprou um galo de fibra de vidro com quase cinco metros de altura. 'Sempre achei bacana dizer que eu tenho o maior pinto de Los Angeles', disse. (pag 113)

"Então ele namora a mulher mais linda do mundo, então ele detona de vez em quando uma suíte de hotel...lide com isso.' No mesmo artigo, Depp novamente reclamou da sorte. Também alegou que o Mark Hotel se beneficiou da história. 'É bom para eles', diz Depp. 'Agora eles podem dizer que têm um pouco de história, essa parcelinha mínima de história. Podem dizer: 'Aqui Johnny Depp foi preso.'". (Pag. 141)


Sobre o autor:


DANNY WHITE é jornalista, blogueiro e escritor. Publicou diversas biografias de celebridades, entre outros livros sobre as mais diferentes temáticas. Seu trabalho foi traduzido para mais de dez linguas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário